sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Concrecoisa Raio


O raio cortou a atmosfera

Em cuspe de energia

No mesmo instante

O ar virou vento

E nas colinas lá no horizonte

O trovão ainda canta

Na festa promovida pela tempestade

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Concrecoisa Vazio é cheio


Delum não acreditou no sonho da noite passada.

Na loucura de sua mente adormecida, uma nave interplanetária pousava no seu quintal.

E uma voz dizia: “O vazio é cheio”.

Os anos passaram.

Já velhinho, a mesma voz voltou a dizer: “O vazio é cheio”.

Delum não precisou de mais nada para entender que do outro lado do vazio da morte existia algo cheio de vida.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Concrecoisa Mais Paz


bala

grito

dor

agonia

medo

morte, morte, morte...

choro dos que ficaram esperando a paz

mais paz

só a paz

nada mais, nada mais...

triste retrato do Brasil de agora!

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Concrecoisa A Tentação


Em almoço com o amigo jornalista e escritor José de Jesus Barreto, que acaba de lança o ótimo livro Treze contos reais, pela Solisluna Editora, com ilustrações de Enéas Guerra, ele sugeriu que eu fizesse uma concrecoisa sobre a Tentação no deserto.

Diz a Bíblia que, após o batismo, Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto, onde, durante quarenta dias, foi tentado pelo demônio.

A proposta ficou circulando na minha cabeça.

Eu já tinha feito a Concrecoisa Pedro, que negou Jesus três vezes. Essa concrecoisa virou concre-som com as participações de Luiz Caldas e Vandex.

Lembro que a proposta de José de Jesus Barreto ocorreu na semana passada.

Estávamos no tradicional restaurante Mini Cacique, que funciona há décadas no Centro Histórico de Salvador, na Rua Ruy Barbosa.

Depois desse mergulho bíblico, vejo a concrecoisa interpretar tudo aquilo que pode ser interpretado, ou seja, o humano e o inumano, o material e o imaterial, o que é ser vivo e o que é um objeto.

E assim, tentando interpretar, deixo o barco da vida seguir!

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Concrecoisa Tempestade


A traquinagem de Lostim ganhou o mundo.

Tudo aquilo que ele fazia, rapidamente, ia parar nas redes sociais.

De postagem em postagem, Lostim ganhou milhares de seguidores e de inimigos.

Na sua página no ciberespaço, por minuto, choviam afagos e iras.

Ele aproveitava tudo que acontecia e que não acontecia para gerar factoides.

E esses factoides viralizavam rapidamente.

Com o passar do tempo, a tempestade do seu viver acabou se transformando em chuva de palavras que caem em sonhos.

Essa chuva, completava Lostim, “era como o rio da vida que corre para o mar, que corre para o mar, que corre para amar”.

Quando viu que o mundo já não era mais o mesmo, pois um outro Lostim havia ocupado o seu lugar, ele chorou por dentro.

E essa tempestade interior foi mais terrível do que o dilúvio bíblico.

Pois a força divina acabou inundando a bandeira da esperança da eternidade que ele pensava que era intocável.

Quando o sol voltou a brilhar, Lostim já era página virada de um mundo que, a cada dia, tem sido mais que demais impiedoso com o ser bestial que é o ser humano.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Concrecoisa Atravessar


A luz teve orgasmo

Ao perfurar a escuridão.

A escuridão chorou em silêncio

Ao transpor a madrugada.

A madrugada acordou em prazer de luz

Depois de traspassar mais um ciclo do fluir do tempo.

E a lógica temporal atravessou as coisas

Menos quando o fremon se apresentou como constante desconhecida que fez do tempo um enigma impenetrável.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Concrecoisa O Outro


Um dia, o Outro quis que um Outro pensasse como ele.

Agisse como ele.

Acreditasse como ele.

Fosse igualzinho a ele.

E ficou noites e dias alimentando um desejo do tamanho do mar.

O tempo foi passando...

Passando cada vez mais rápido.

E quando viu o desejo naufragar no vazio.

O Outro já tinha virado um Tolo.